20 / 02 / 2014

Calor dentro do carro: cuidados a se tomar, inclusive, com as crianças

Atravessar a temporada mais quente de que se tem notícia, dentro do carro, exige dos motoristas um desafio maior do que apenas suportá-la heroicamente. É preciso habituar-se a tomar alguns cuidados que, apesar de simples, podem evitar riscos à saúde e garantir o bem-estar do condutor e dos demais passageiros, especialmente dos bebês e das crianças. Segundo o professor e dermatologista Valcinir Bedin, doutor em medicina pela Unicamp, há ao menos duas situações críticas para quem precisa dirigir em dias quentes: a desidratação e as queimaduras. “A desidratação pode ocorrer pelo excesso de transpiração, especialmente para quem não tem ar condicionado ou trafega com pouca ventilação no carro”, explica Bedin. Nesses casos, o médico recomenda circular com todos os vidros abertos ou fazer uso do ar condicionado. “Na hora de estacionar, deixe, se possível, o carro na sombra. Antes de entrar, mantenha as portas abertas parar que o interior do veículo seja ventilado. Lembre-se de que o ar quente expande mais que o frio”, diz o médico. Para hidratar a pele, tente beber muita água, de preferência 1 litro e meio por dia.

20_sun01

Outro ponto de atenção são as queimaduras. Não subestime um sol entre nuvens nem superestime o poder dos vidros do carro, ainda que tenham película. Eles não protegem contra a ação dos raios ultravioleta. “Use protetor solar e, em caso de viagens longas, renove-o mais de uma vez. Capriche nas áreas expostas, especialmente nas mãos. Dentro do carro, elas ficam o tempo todo sob à luz solar, mesmo que o resto do corpo esteja na sombra”, recomenda Valcinir Bedin.

Protetor solar é um aliado  contra os raios ultravioletas e as crianças precisam de cuidados especiais

Protetor solar é um aliado contra os raios ultravioletas e as crianças precisam de cuidados especiais

Cuidados com bebês e crianças >> Para quem vai transportar crianças no carro em dias quentes, além dos cuidados com a hidratação é preciso estar atento também ao risco de queimaduras. Os casos mais comuns acontecem ao encostar o corpo da criança em partes quentes do assento de segurança e do próprio carro, principalmente as metálicas. “Antes de colocar a criança no banco ou cadeirinha, confira a temperatura do tecido, dos plásticos e das partes metálicas. Só a acomode depois de se certificar que estão em temperatura segura”, alerta o dermatologista.

20_sun03

A desidratação também é apontada pelo pediatra neonatologista Carlos Eduardo Corrêa como um dos principais riscos no transporte de crianças em situação de exposição ao calor, nos engarrafamentos ou no carro fechado. Segundo Corrêa, o ar condicionado é uma boa saída, desde que os filtros sejam trocados com regularidade. Já para acalmar os bebês com menos de três meses, Corrêa diz que o rádio pode ser um aliado. “Em geral, os bebês se irritam muito com carros parados ou no trânsito quando andam e param frequentemente. Pode-se usar a rádio fora da estação, que funciona para pequenos”, conclui o médico. (Fotos: divulgação)

Deixe seu comentário