02 / 12 / 2011

Civic: o retorno do Samurai

Frente nova: pára-choque mais encorpado criou sensação de maior  robustez na dianteira

Frente nova: pára-choque mais encorpado criou sensação de maior robustez na dianteira

O título “New” sumiu. Agora o batismo ficou apenas “Civic”. Modelo Honda de amplo sucesso em vários países desde 1972, o sedã médio Civic chega à sua 9ª geração. Com o projeto reformulado, a nova máquina vem com bastante tecnologia embarcada e deverá ser ofertada nas concessionárias agora mesmo em dezembro de 2011.

O motor e o câmbio são os mesmos da geração anterior, mas o interior, nível de acabamento, pacote de entretenimento a bordo, parte da carroceria e algumas medidas (e outras capacidades volumétricas), mudaram.

Mais tecnologia

Aquilo que é chamado de “i-Mid” (Intelligent Multi-Information Display) ou, mais ou menos, Tela Inteligente de Multi-informações, é o que a Honda considera como “o grande chamariz” desse novo modelo. Acoplado ao painel central do Civic 2012 o “i-Mid” comporta uma telinha ´LCD´ com 5 polegadas. Ali, além de diversas informações, como o sistema de áudio, computador de bordo, imagem da câmera de ré, modo de navegação…, o espaço funciona, também, como uma interface para a customização do veículo. É possível, por exemplo, inserir uma foto nessa tela a partir de um simples Pen Drive.

Opções de escolha

O Civic continua sendo oferecido nas versões (progressivas em luxo) LXS, LXL e EXS, esta última agora ofertada ainda melhor com um completíssimo sistema de controle de estabilidade e direção perigosa, conexão Bluetooth e até teto solar.

O tradicional painel futurista do Civic (que gerou muito impacto na mídia em 2006) continua com os seus dois andares. Para auxiliar o condutor na economia de combustível, luzes (que vão do azul ao verde) e mais um desenho iluminado no painel indicam dados de consumo imediato. Ainda nesse tema, há um controle eletro-mecânico que funciona a partir de um botão denominado “Econ”. Com essa função acionada, alguns sensores entram em ação alterando o funcionamento do motor, privilegiando uma aceleração mais comedida, visando, obviamente, a economia e o menor índice de emissões de gases poluentes. O conjunto atua unindo o controle eletrônico da injeção, o funcionamento do ar-condicionado e até do “piloto automático”.

Mais mudanças

Olhando de frente o Civic mantém a herança genética. A lateral também conserva os traços básicos. As janelas das portas dianteiras estão maiores e no contexto geral, alguns pontos da carroceria foram refeitos no intuito de se conseguir mais eficácia aerodinâmica. A traseira foi a mais alterada. As lanternas estão maiores e invadem a lateral. O Civic aumentou de tamanho. Passou de 4.489 mm para 4.525mm. Seu tanque de combustível agora comporta 57 litros e o porta-malas foi ampliado para 449 litros (cresceu 109 litros) atendendo à uma antiga solicitação dos consumidores desse carro que reclamavam do tamanho deste compartimento.

[nggallery id=55]

Veredicto

Esse modelo foi criado pela Honda para oferecer um primeiro degrau do luxo na categoria dos sedãs médios. É assim desde o início dos anos ´70 e agrada bastante por quase nunca apresentar problemas mecânicos, ser silencioso e ter um custo de manutenção até relativamente baixo. No modelo 2012 o nível de conforto subiu: isolamento acústico melhorou e o acabamento interno, também.

Continua equipado com motor 4 cilindros 1.8 i-VTEC de 139/140 cv Flex. O torque (tanto com álcool quanto com gasolina) é praticamente o mesmo, oscilando entre 17,5 e 17,7 kgf.m. Ele pode vir com apenas dois airbags frontais ou, dependendo da versão, bolsas de ar também nas laterais. O revestimento dos bancos pode ser em tecido tradicional ou em couro, e o habitáculo continua aconchegante para até 4 adultos. Os câmbios podem ser do tipo manual ou automático, com destaque para melhoramentos na 4ª e 5ª marchas (na versão automática, agora com Overdrive, o que possibilita velocidade com mais economia de combustível nesse caso) e, para quem quer se divertir, há as “borboletinhas” por trás do volante para trocas de marchas manuais.

No geral, o Civic continua vídeo-game como sempre, portanto, divertido. Mantém as frescurinhas eletrônicas e outros mimos (sensor e câmera de ré, acendimento automático de faróis, ar-condicionado digital, som com MP3, USB, espelhinhos e porta-trecos aqui e acolá, GPS e por aí vai). Até o fechamento desta edição, os preços do carro não haviam sido divulgados. Frigir dos ovos: o pacote de segurança (todas as versões vêm com freios ABS a disco nas 4 rodas) é respeitável e o carro continua bonito e bem feito. O desafio da marca será encarar a outra nipônica Toyota com o seu (também completíssimo) Corolla, hoje líder na categoria. I FA

Deixe seu comentário