16 / 08 / 2018

Começar de novo: missão do Citroën Cactus

PSA, holding das marcas Peugeot, Citroën, DS e das recém compradas Vauxhall, Opel e autopeças, iniciou produzir o novo Citroën C4 Cactus na fábrica de Porto Real (RJ). Em termos morfológicos, lembra um Mercedes GLA, com bom conjunto mecânico, liderado por motor 1.6 turbo de 4 cilindros, entregando médios 170 cv de força. Não é mais um ou apenas outro produto novo. O ´Groupe´, como os seus colaboradores o chamam, focou no Cactus o momento da virada da empresa, o ponto de inflexão à reconquista de espaço. No Brasil ambas as marcas tiveram dias de vendas e glórias no mercado. Peugeot, por exemplo, monoproduto com o 206, representava 3% das vendas gerais. Citroën com o C3 Picasso, menos, mas ótimos resultados tratando-o como categoria Premium, acima dos Peugeot, líder dentre monovolumes, situação única no mundo. Depois, atrapalhações, economia besta, subtraindo o lançamento do 207 e transformando o 206 para ser tratado como novo produto, iniciou descer a ladeira das preferências. Mudanças com bons produtos não inverteram a mão do mercado, e as marcas pagaram caro pelas confusões, pelas elevadas contas cobradas pelos consertos nos concessionários, e as gestões por fugazes administradores. Há cinco anos, o envio de Carlos Gomes, ex-Fiat Portugal, cooptado a peso de ouro, conseguiu um diagnóstico, fez mudanças, traçou parâmetros e, corajosamente, fez incisão profunda no problema maior: mau conceito na assistência técnica, criando o maior pacote de proteção aos clientes. Ao mesmo tempo, geriu processo de mudanças, incluindo centro de desenvolvimento e design. Conclusão: para mercado promissor, mas de uso áspero como o são as vias brasileiras, onde, a grosso modo, um sedã exige suspensão de utilitário esportivo, os produtos deveriam ser concebidos com especificações nacionais e não europeias adaptadas. Abro espaço para comentar como as marcas de automóveis erram em olhar para a frente, sem prestar atenção no passado. Tivessem procurado os arquivos de uma das marcas sob sua tutela, teriam encontrado em sua fábrica de Poissy, onde era a sede da Simca, o árduo e bom trabalho realizado para dar resistência brasileira a um produto francês, como o foi o Simca Chambord e seu pico de desenvolvimento local, o modelo Tufão. Dentre as medidas, durante a gestão superior de Carlos Tavares, outro português chamado a salvar a PSA, resolveu-se investir nas marcas no mercado sul americano, começando por passo mandatório: o uso de plataforma comum. Definida, será base para os próximos produtos da marca, a começar pelo Cactus. Outros dela advirão: Gabriel Cordo Miranda, diretor da PSA na Argentina, há dias anunciou um sedã como produto a seguir o Cactus. Na definição por este, em produção na Europa, estatuíram, o sucessor seria desenvolvido no Mercosul. Boa escolha, superou o original e o substituiu. Para fazer o Cactus, houve necessidade de grande mudança tecnológica na moderna fábrica da PSA no curioso e pouco conhecido município carioca de Porto Real, com reformulação, controles digitais, conceitos da Indústria 4.0 e moderno sistema de conferência das medidas das carrocerias por laser. Dos 300 milhões de Euros demandados, Tavares concedeu 1/3 e, por sobrevivência, a operação foi realizada com economia, negociação, sério corte de pessoal, cumplicidade com fornecedores.

Cactus: nova aposta da PSA no Brasil

Cactus: nova aposta da PSA no Brasil

O produto surpreendeu. Ao final terão sido gastos R$ 580 milhões, pouco acima do teto definido. Aos puristas, seria um hatch de 4 portas, mas os traços finais fazem-no visto como utilitário esportivo. É no Brasil uma classificação tão etérea quanto o termo ´jipinho´ aplicado por alguns jornalistas. E tem a morfologia de maior crescimento no mercado. São 2,65 m de distância entre-eixos a oferecer ótimo espaço interno a passageiros dianteiros e posteriores. A PSA calcula sucesso ao apostar no formato de maior crescimento no mercado e nos acertos de estilo e composição mecânica. Na prática, projeta vender 2.500 unidades mensalmente, 1% do mercado doméstico. Em termos, pouco menos ante a soma dos números de venda obtidos em junho de 2.900 unidades: 1.600 Peugeots e 1.300 Citroëns. Relativamente ao modelo anterior, europeu, o projeto sul americano, gestado na PSA em São Paulo, é muito superior em estilo e conforto, incluindo exigência dos consumidores locais, como por exemplo, os vidros das janelas traseiras baixarem totalmente. Pablo Averame, argentino, muitos anos de Peugeot, vice-presidente de produto, marketing, mobilidade e serviços conectados na América Latina, entende que o novo SUV C4 Cactus ilustra perfeitamente a assinatura “Inspired By You” da Citroën, uma marca inspirada pela vida das pessoas e pela sua maneira de viver o automóvel. Um veículo muito moderno e seguro, desenvolvido em torno de três pilares: o design, a tecnologia e o conforto. Em design, destaca-se sua silhueta moderna e repleta de personalidade, que integra os novos códigos da marca, com múltiplas possibilidades de personalização. Em termos de tecnologia, o modelo será equipado com os novos sistemas de assistência ao motorista para uma condução mais fácil e tranquila, com destaque para o “Active Safety Brake” que, até um limite de velocidade, aciona automaticamente os freios em caso de colisão iminente. Já no tema conforto, fiel ao programa Citroën Advanced Comfort, será uma referência em sua categoria, destacando-se aqui o seu isolamento acústico e o conforto da suspensão. A implementação tecnológica aplicada em Porto Real permeará para aos produtos ali montados: Cactus, Peugeots 208 e 2008, Citroëns C3 e Aircross.

::::::::::::::::::

RODA-A-RODA

QUANTO GANHAS? – A pergunta pode parecer impertinente, mas tem fundo lógico. É para saber se você, apreciador de automóveis, cultor da história e da cultura, está apto a não se candidatar à aquisição de um dos 250 exemplares do livro “Il fascino Ferrari”. Edição própria. Os primeiros 250 exemplares custarão aproximados US$ 30 mil, a grosso modo, uns R$ 115 mil! Terá autógrafo do CEO recém falecido Sergio Marchionne, John Elkman, presidente e Piero Ferrari, vice.

Mesa inspirada em motor V12 Ferrari. Acompanha o livro. A fim?

Mesa inspirada em motor V12 Ferrari. Acompanha o livro. A fim?

MAIS – Virá num estojo de alumínio e terá mesinha inspirada num motor V12. Haverá edição tipo ´mezza boca´: os exemplares 251 a 1947, sem os agregados e assinado apenas por Piero Ferrari custarão US$ 3 mil por 514 páginas, fotos e desenhos inéditos dos 71 anos de história da marca.

ECLIPSE CROSS – Nome marcante de esportivo surgido ao fim da década de ´90, preferido por jogadores de futebol e outros intelectuais, Eclipse foi aproveitado para marcar novo produto da mesma Mitsubishi. Desta vez nada de esportivo, mas na onda dos SUV e SAV, será o Eclipse Cross.

COMO – Vertente do ASX, assemelhado em morfologia e uso, dele aproveita a plataforma. Terá motor 1.5 turbo de 4 cilindros com 163 cv, transmissão CVT e tração nas 2 ou 4 rodas. É um ASX elegante, bem vestido, cheio de cromados. Será lançado em setembro.

MUDA – Jeep iniciou montar a segunda geração do Renegade. Repete mudanças exibidas no modelo italiano: grade nova, para-choques refeitos, faróis, lanternas traseiras, console, tela multimídia e infordiversão. Vendas em outubro.

Novo Renegade: aqui, o modelo europeu

Novo Renegade: aqui, o modelo europeu

MAIS – Em setembro a VW iniciará as vendas do novo Jetta. Coisas do comércio internacional: é produzido no México, mas o motor 1.4 turbo de 150 cv é brasileiro e feito em São Carlos (SP). Transmissões automática e manual com seis velocidades. Também versão 2.0 com 220 cv, automático, com caixa de transmissão de 7 velocidades.

Novo Jetta chama-se ´Vento´ em alguns países da América Latina. (foto Autoblog.uy)

Novo Jetta chama-se ´Vento´ em alguns países da América Latina. (foto Autoblog.uy)

MERCADO – É construído sobre a plataforma MQB, mesma do Golf, Tiguan, Polo e Virtus e relativamente à versão antiga, cresceu milímetros em comprimento e poderosos 12 cm entre os eixos. No mercado ficará entre os VW Virtus e Passat.

TOYOTA – Mudanças na picape Hilux: grade, para-choques, tomadas de ar, grupo óptico frontal, capô. Internamente novo sistema de infodiversão mais responsivo e com tela maior. Apenas versões de topo, para lazer e transporte individual em asfalto. Segundo ciclo da atual geração, terá apresentações regionais. Vendas imediatas.

Hilux muda nas versões superiores, copiando a tailandesa Rocco

Hilux muda nas versões superiores, copiando a tailandesa Rocco

RANCH – FCA criou versão de topo para a líder Toro. É a Ranch, superior à Volcano. Tratamento automobilístico em decoração: couro marrom combinando com pintura prata, faróis acompanhando as curvas, acionamento do motor por controle remoto. Preço: R$ 150 mil!

Toro na versão topo do topo

Toro na versão topo do topo

FESTA – Renault festeja um ano do lançamento do Kwid com 56 mil unidades vendidas; 46% do segmento onde competia com Fiat Mobi e VW Up!; exportação de 20 mil carros à América Latina. Superados os problemas iniciais de aclimatação do projeto indiano às condições nacionais, deve ascender no segundo ano.

ANTIGOS – Sucesso a 3ª edição do “Village Classic Cars” promovido no Shopping Village Mall na Barra da Tijuca (RJ). Destaque para o Mercedes 300 SL ´Asa-de-Gaivota´ pintado em corajoso verde claro, completo com jogo de malas. Do colecionador paulistano Leo Steinbruch.

HISTÓRIA – Não foi apenas bom encontro atraindo público diversificado, mas corajoso resgate do ânimo carioca. Organizado pelo Veteran Car Club RJ, o mais antigo do país, a cada ano agrega novos expositores e interesse. O Rio de Janeiro havia perdido eventos automobilísticos de porte.

2 – Organizadores do Encontro Paulista de Automóveis Antigos em Águas de Lindóia (SP), aproveitam ´know how´, estrutura e pesquisa de mercado: farão evento exclusivo a veículos esportivos. Mesma cidade, 24 a 26 de agosto. Informações pelo eMail sportcarsag@gmail.com

GENTE – Viviane Mansi, comunicóloga, mudança. Deixou liderança de comunicação corporativa da Votorantim Cimentos, assumiu mesma área, na Toyota com amplitude para América do Sul. Ricardo Bastos passou a função e irá se concentrar em Relações Governamentais. Brasil é base de comando continental. OOOO Carlos Ayala, mexicano, engenheiro, promoção de Vice Presidente de Negócios a Presidente da DAF Brasil. Marca pouco conhecida, 3.500 unidades em circulação atuando no segmento acima de 40 T, e é a primeira fábrica fora da Europa. OOOO Nicola Romeo, engenheiro, criador da Alfa Romeo, passou há 80 anos. Enzo Ferrari, engenheiro, empreendedor em sua marca famosa, foi-se há três décadas. OOOO

::::::::::::::::::

Renegade abaixa os preços >> Surpresa no mercado pelo retorno à produção no mesmo Pernambuco onde fora montado no meio dos anos ´60, o Jeep, em atualizada versão Renegade, cumpriu promessa aparentemente impossível feita em sua apresentação ao Salão do Automóvel de 2014: seria líder de mercado. Foi. Ao primeiro ano de produção ultrapassou o Ford EcoSport e o Renault Logan, distanciando-se na liderança. Produto de sucesso, construído no Brasil, na Itália e na China, é um dos veículos responsáveis por transformar a marca na de maior faturamento e lucros da holding FCA.

Jeep Renegade básico baixou em R$ 7 mil

Jeep Renegade básico baixou em R$ 7 mil

Quando a Fiat assumiu a Chrysler, a Jeep foi uma das marcas recebidas e a FCA soube aproveitar o seu potencial. Aproximando-se da importante referência de um quarto de milhão de unidades produzidas no Brasil, empresa reviu os preços de suas versões, reduzindo-os para não perder e incentivar vendas no período pré-eleitoral, habitualmente redutor de negócios. Segundo o fabricante, não houve contração de conteúdo, mas apenas um ajuste sazonal. O realinhamento minguou preços em até R$ 7 mil na versão de entrada, a Custom com motor flex 1,8 e câmbio manual de 5 marchas. Em julho, encontrável por R$ 76.990. Seu preço sugerido em tabela é de R$ 69.990. Em posição intermediária, a versão Sport 1.8 com câmbio manual sofreu corte de R$ 3.500, descendo a R$ 79.990. Com opção de câmbio automático, teve preço reduzido em R$ 2.500, chegando a R$ 86.490. Versão Longitude, superior, com transmissão automática, teve corte de R$ 3.500, atingindo R$ 90.490. OOOO (Os artigos assinados por colaboradores desse site são de inteira responsabilidade dos seus autores. A editoria geral desse veículo, necessariamente, não concorda com todas as opiniões aqui expressas. Texto desta coluna tem autoria do jornalista Roberto Nasser)

Deixe seu comentário